segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A PSICOLOGIA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

INTRODUÇÃO


A Psicologia, na formação de Professores, parte dos fins da "educação” e, apostando na "promoção do ser para ser todo o ser que potencialmente pode vir a ser", vai mais além: baseando-se nos seus conhecimentos atuais, assumem a modificação cognitiva, e envereda por uma intervenção efetiva no desenvolvimento do ser humano – intencional o processo educativo em termos de ativação do desenvolvimento psicológico dos professores e dos alunos. O desenvolvimento psicológico é hoje considerado um fenômeno interativo, fruto da dinâmica processual entre as potencialidades e características individuais e os contextos educacionais em que os sujeitos, num processo nunca acabados de integração reestruturaram das suas vivências, interatua. O sujeito tem, portanto, um papel ativo muito importante na construção do conhecimento e na construção de si próprio.




A PSICOLOGIA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES


A psicologia encontra-se como uma das disciplinas que precisa auxiliar o professor a desenvolver conhecimentos e habilidades, além de competências, atitudes e valores que possibilitem a ele ir construindo seus saberes docentes a partir das necessidades e desafios que o ensino, como prática social, lhe coloca no cotidiano. Dessa forma, poderá contribuir para que o professor desenvolva a capacidade de investigar a própria atividade, para, a partir dela, constituir e transformar os seus saberes docentes, num processo contínuo de construção de sua identidade como professor.
O conhecimento psicológico e a teoria e prática educativa não podem ser consideradas em uma única direção. O conhecimento psicológico contribui para melhorar a compreensão e a explicação dos fenômenos educativos, porém o seu estudo deve facilitar do mesmo modo a ampliação e o aprofundamento do conhecimento psicológico. Nessa perspectiva, o fenômeno educativo deixa de ser exclusivamente um campo de aplicação do conhecimento psicológico para chegar a ser uma área da atividade humana a ser estudado com os instrumentos conceituais e metodológicos próprios da psicologia.
Nessa perspectiva, a psicologia precisa ser ensinada nos cursos de formação de professores de maneira que supere uma apresentação de um conjunto de teorias e conceitos desvinculados dos problemas reais da atividade pedagógica, o que não auxilia o professor no desenvolvimento da motivação necessária para buscar os conhecimentos e incorporá-los criativamente em sua prática pedagógica. A construção de conhecimento teórico só é possível através dos conhecimentos práticos. A teoria contribui para a experiência vivida na medida em que passa a ajudar no esclarecimento da situação onde se desenvolve. Assim, a teoria contribui para a interpretação de dados que emergem da realidade e que podem ser reforçados ou transformados.
Com isso, as disciplinas psicológicas nos cursos de formação docente representam um eixo importante na formação do professor e, como tal, deve partir das questões educacionais, tornando-as objeto de investigação, e analisá-las nas perspectivas dos conteúdos e métodos psicológicos, com foco no retorno a ponto de partida, que é, afinal, a prática educativa. Tais disciplinas devem reunir psicologia e educação em unidades dialéticas de ação e reflexão que se personificarão nas decisões do professor para favorecer e direcionar o desenvolvimento e a aprendizagem do aluno. Traduzir-se-á em atividade concreta e inteligente do professor permitindo e impulsionando a relação teoria e prática.
Os compromisso da psicologia com a educação está relacionado com a nossa posição sobre o papel da educação e dos educadores na sociedade. Ela não acontece no interior do conhecimento psicológico, mas na consciência política e ética de cada um. Dessa forma, o ensino crítico na psicologia passa muito além da simples escolha de referenciais liberais ou sócio-históricos em relação aos conteúdos que serão abordados na formação. Passa, principalmente, pelas possibilidades que nosso ensino oferece aos professores de conquistarem a condição de sujeito, cerne de validade na ação e reflexão.
As possibilidades de o professor conquistar a condição de sujeito de seu pensar e de seu agir, compreendendo também que o alcance e o exercício dessa condição viabilizarão efetivamente uma visão crítica frente às contribuições da psicologia para a educação. Para formarmos professores sujeitos é necessário propiciar variados instrumentos teóricos de interpretação da realidade para que as decisões quanto à prática pedagógica sejam respaldadas no conhecimento e na consistência da crítica. Além desses instrumentos teóricos, também é necessário que os professores desenvolvam recursos pessoais que lhes permitam conquistar criativamente das informações técnico-científicas disponíveis. É fundamental, ainda, que os recursos favoreçam aos professores utilizá-las no trabalho pedagógico efetivo.
A ação do professor não depende somente dos conhecimentos que possui sobre sua área e sobre seu aluno, ou dos recursos e estratégias apontadas pela literatura especializada, mas de como essas informações se articula em sua configuração subjetiva, condição essencial para que o professor possa expressar-se em uma ação pedagógica efetiva.
Entender a escola como um espaço de educação da personalidade implica um professor que possui domínio das disciplinas que ensina e dos conhecimentos pedagógicos e psicológicos que permitem efetivamente desenhar e executar as ações pedagógicas esperadas. Além disso, necessita de um conjunto de habilidades pedagógicas, essencialmente comunicativas, que lhe permita uma interação tal com o aluno, que se constitua em um espaço de comunicação efetiva para o desenvolvimento da personalidade.



CONSIDERAÇÕES FINAIS


A contribuição da Psicologia no campo Educacional é um tema cativante e desafiador que permanece atual e proporcionando estudos e pesquisas de vários e renomados cientistas. Deve-se lembrar sempre que essas contribuições precisam ser caracterizadas como um espaço de reflexão envolvendo a realidade escolar, assim como um espaço propício para a expressão das angústias e das ansiedades inerentes ao processo de formação.A Psicologia no âmbito da escolar deve também contribuir para otimizar as relações entre professores e alunos, além dos pais, direção e demais pessoas que interagem nesse ambiente.É neste contexto e neste lugar que a Psicologia poderá contribuir para uma visão mais abrangente dos processos educativos que se passam no contexto educacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
©2007 '' Por Elke di Barros